Notícias

Oito entidades defenderão o tabaco na Suíça

01.10.2018
A partir desta sexta-feira, 28, líderes do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina começam a jornada rumo à 8ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco (COP-8), que ocorre entre segunda e sábado da semana que vem em Genebra, na Suíça. Oito entidades encaminharam representantes ao evento, mesmo sem a certeza de acesso aos painéis de discussão da COP.
 
Representando a mão de obra da indústria do tabaco, que nos três Estados do Sul reúne 40 mil trabalhadores, Gualter Baptista vai a Genebra pela Federação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo (Fentifumo) e pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Alimentação de Santa Cruz (Stifa). Ele embarca neste sábado e espera ser recebido pelo embaixador do Brasil na Suíça. A partir do encontro, Baptista quer tentar negociar a entrada dele nas audiências. “A indústria do tabaco recebe trabalhadores com idade mais avançada, que dificilmente teriam acesso ao mercado de trabalho. É uma atividade extremamente importante.”
 
Em nome dos produtores rurais estarão no evento a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Santa Catarina (Fetaesc). O vice-presidente da Afubra, agrônomo Marco Dornelles, afirma que a meta é fazer pressão para chamar a atenção das autoridades dos 181 países participantes da conferência. “Uma representação diplomática do Brasil estará na COP. Nossa missão é defender o produtor junto a esta autoridade”, diz. Pela Fetag, o vice-presidente de Política Agrícola, Nestor Bonfanti, leva a experiência da conferência do Uruguai, ocorrida em 2010. “Naquela vez houve uma mobilização muito grande e algumas entidades tiveram acesso”, conta.
 
A Fetaesc, de Santa Catarina, também acredita em uma abertura semelhante ao que ocorreu na COP-4, no Uruguai. É no que aposta Adriano da Cunha, vice-presidente da federação catarinense. “Neste ano, o governo federal está sem a representação dos deputados e mostrou-se aberto ao diálogo em audiências públicas. A esperança de participar da conferência é grande.” Fechando a representatividade do produtor, a Câmara Setorial do Tabaco, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), também vai à COP. O presidente da Câmara, Romeu Schneider, embarca amanhã junto com Dornelles, da Afubra.
 
A indústria estará representada pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco) e pela Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo). O presidente do Sinditabaco, Iro Schünke, embarca hoje. Já o presidente da Abifumo, Carlos Galant, foi ontem.
 
Fonte: GAZ