Notícias

Força Feminina no Agro

05.03.2020

Nos últimos anos, o agronegócio brasileiro vem desempenhando um papel importante no crescimento e desenvolvimento do país, com saltos na produção e na geração de empregos. Um dos motivos para essa expansão é o aumento de produtividade em razão do estilo de gestão, da complementariedade de ideias e do poder da diversidade. E o que esse poder da diversidade quer dizer?

A agricultura é a área na qual as mulheres têm maior presença, com 42% de participação, e não somente isso: o número de mulheres em posição de liderança no campo, de acordo com o IBGE, cresce a cada dia. Entre 2006 e 2017, por exemplo, o número de mulheres que lideram propriedades rurais no País cresceu de 12,68% para 18,64%. Hoje elas ocupam cerca de 30% dos cargos de comando no campo.

O empoderamento feminino na agricultura, através de produtoras rurais, engenheiras agrônomas ou gestoras administrativas, independentemente da posição, tem ajudado a diversificar o perfil do setor, que ainda é majoritariamente ocupado por homens. Além disso, segundo uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), as mulheres que atuam nesse setor são de escolaridade alta e independência financeira:

A Souza Cruz, entendendo o importante papel da mulher no agronegócio brasileiro, instrui que seus Orientadores Agrícolas as envolvam nas discussões de assistência técnica e convide-as para participação nos diversos treinamentos do Senar e da equipe de Difusão de Tecnologias.

Todos os anos, cerca de 10% do público em treinamentos com o Senar são do sexo feminino. Além dos programas Mulheres em Campo (RS e SC) e Mulher Atual (PR), voltados exclusivamente para elas, a empresa conta com a participação do público feminino em, pelo menos, mais nove treinamentos, dentre eles:

  • Aplicação correta e segura de agrotóxicos NR31;
  • Fluxo de caixa da atividade rural;
  • Manejo do solo e sua fertilidade.

 

A estratégia desse incentivo é justamente poder capacitar as mulheres para que participem das discussões e tomadas de decisões dentro da propriedade, garantindo melhor gerenciamento.

Simone Liebl, Orientadora Agrícola do programa Propriedade Sustentável da Souza Cruz, afirma que atualmente existe uma forte valorização e reconhecimento da importância do papel que as mulheres desempenham, pois, a forma como veem, avaliam e ajudam nas definições são muito importantes para o sucesso da família empreendedora.

Atitude de quem quer fazer

Maritani Buchweitz Ratzmann, 48 anos, filha de agricultores, é um exemplo de mulher atuante que sabe o que faz e o que quer. Casada há 28 anos com Egon Ratzmann, 53 anos, produtor integrado à Souza Cruz há 31 anos, ela participa ativamente das atividades da propriedade localizada em Colônia Aliança, no município de Pelotas (RS).

Para elas

Como valorização à grande contribuição das mulheres no trabalho rural, principalmente à agricultura familiar, existem alguns reconhecimentos dedicados exclusivamente a elas. Confira alguns deles: