Notícias

Água | Preservar para garantir

19.03.2020

A atividade agrícola é fator fundamental no crescimento econômico da maioria das comunidades e nações e, considerando esse importante aspecto, torna-se indispensável que essa forma de crescimento seja sustentável, isto é, que sejam respeitados os mecanismos de sustentação do ecossistema. A biodiversidade fornece as condições básicas para o desenvolvimento da agricultura, como solos férteis, clima favorável e água limpa e disponível, mas, embora estes benefícios sejam gratuitos, eles devem ser conservados.

 Não é possível garantir a exploração permanente dos recursos naturais sem considerar a conservação do solo e dos recursos hídricos, já que essas práticas melhoram o rendimento das safras e asseguram um ambiente sustentável de produção. Somente as práticas de manejo conservacionista são capazes de prevenir a degradação dos recursos naturais e permitir a continuidade das atividades agrícolas e, por conta disso, adotar práticas de cultivo com o mínimo de impacto ambiental, promover a recuperação, reestabelecer a qualidade biológica do solo e recuperar a qualidade da água são alguns dos hábitos que devem ser seguidos na agricultura.

Fazendo a sua parte

Por meio do Sistema Integrado de Produção de Tabaco, a Souza Cruz honra o compromisso com o desenvolvimento sustentável, oferecendo insumos para o plantio do tabaco, assistência técnica e recomendações sobre boas práticas agrícolas, com respeito às questões sociais e ambientais. Exemplo disso é a técnica de irrigação por gotejamento, que utiliza os recursos hídricos com mais eficiência e precisão, economizando grande quantidade de água. Na fábrica de Cachoeirinha (RS), também, foram criadas áreas para captação de água da chuva com o objetivo de reduzir o consumo desse recurso em unidades da empresa – mais de 54% da água utilizada no dia a dia da fábrica é originária desse mecanismo.

Além disso, por meio do Farmer Sustainability Management (FSM), um programa que monitora aspectos de sustentabilidade, a empresa acompanha diversas questões que dizem respeito à água nas propriedades dos seus produtores integrados:

- Quantidade de água utilizada no canteiro e na lavoura (quando utilizada irrigação);

- Local de onde a água é extraída;

- Tipo de irrigação utilizada;

- Conferência da autorização de licença para extração/uso da água;

- Realização de análise de poluição e de qualidade da água;

- Apuração da implementação de ações que reduzem a quantidade e protegem a água, entre outros.

Os objetivos principais desse monitoramento são os de redução e proteção da água. O primeiro diz respeito a monitorar o uso de forma racional, enquanto o segundo visa a proteção dos cursos e fontes de água.