Notícias

10º CICLO DE CONSCIENTIZAÇÃO

09.08.2018
Mais de 250 pessoas, entre produtores de tabaco, autoridades locais, agentes de saúde, diretores de escola e líderes de comunidade, participaram do 10º Ciclo de Conscientização realizado na tarde dessa terça-feira, 7 de agosto, em Itaipulândia, no Paraná. Promovido pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) e empresas associadas, com o apoio da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), o evento reuniu mais de 2 mil pessoas entre junho a agosto de 2018, passando por seis cidades da região Sul do Brasil, abordando temas relevantes para o setor como a saúde e segurança do produtor e a proteção da criança e do adolescente.
 
O Brasil é o segundo produtor de tabaco e maior exportador do mundo, reconhecido pela qualidade e integridade do produto e pela produção sustentável do negócio como um todo, reforçando a importância do trabalho realizado dentro da propriedade rural e do relacionamento com os principais públicos envolvidos no processo produtivo.
 
“A ideia é conscientizar o público sobre a importância das crianças não realizarem atividades para os quais não estejam preparadas e que podem afetar seu desenvolvimento pessoal”, afirma Iro Schünke, presidente do SindiTabaco. “Pensamos num formato que pudesse transmitir a mensagem de forma acessível e lúdica, por meio de vídeos e apresentações teatrais, levando informações essenciais sobre temas que envolvem toda a família dos produtores”, complementa Schünke. A importância dos pais no processo de crescimento dos filhos é essencial.
 
Um vídeo, em formato de perguntas e respostas, com a participação do procurador aposentado pelo Ministério Público do Trabalho, Dr. Veloir Dirceu Fürst, e da advogada e socióloga, Dra. Ana Paula Motta Costa, abordou os principais pontos sobre este assunto tão importante para o setor. “Por meio da educação que a criança recebe em casa junto com o conhecimento passado na escola, é possível agregar valor para o próprio negócio da família, além de formar melhores cidadãos para futuro”, afirma Iro Schünke.
 
Os seminários atendem aos acordos firmados perante o MPT-RS e MPT-Brasília e acontecem desde 2009, atingindo mais de 20 mil pessoas em 50 municípios produtores de tabaco. Para o Vice-Presidente da Afubra, Marco Antônio Dornelles, “nosso compromisso é promover o trabalho integrado entre empresas e produtores para que cada vez mais informações relacionadas ao setor sejam divulgadas”. Dornelles reforça que são temas de extrema importância e exigidos pela legislação, além de necessários para manter o bem-estar e qualidade do trabalho. “Estamos aqui na defesa do desenvolvimento da cadeia produtiva do tabaco e na defesa dos produtores e sabemos que cada um pode escolher como realizar um trabalho consciente e com proteção, para que não tenham consequências futuras”, complementa.
 
Diversas autoridades prestigiaram o evento, entre elas o prefeito  de Itaipulândia, Edinei Valdir Gasparini, a secretária de Educação, Cultura e Esportes, Liani Kamphorst Gasparini, e o vice-prefeito de Missal, Eduardo Staudt.
 
SAÚDE SEGURANÇA DO PRODUTOR
 
A programação seguiu com as informações do Dr. NikoTino sobre questões como a correta aplicação, manuseio e armazenagem de agrotóxicos, bem como sobre a utilização da vestimenta de colheita. O vídeo educacional destacou também temas como: somente utilizar agrotóxicos registrados, de acordo com a receita agronômica; manter o pulverizador em perfeitas condições de uso e sem vazamentos; durante o manuseio e aplicação de agrotóxicos, sempre utilizar os EPIs; não permitir a aplicação de agrotóxicos por menores de 18 anos, idosos e gestantes; armazenar os agrotóxicos em lugares feitos de material resistente, chaveado destinado somente para esse fim, com acesso restrito a trabalhadores orientados a manuseá-los; não reutilizar embalagens vazias de agrotóxicos para qualquer fim; realizar a tríplice lavagem da embalagem vazia de agrotóxico, utilizando EPIs; sinalizar áreas recém tratadas com agrotóxicos cm placa específica para este fim; usar sempre luvas impermeáveis e vestimenta específica para a colheita; evitar colher o tabaco quando as folhas estiverem molhadas pela chuva ou orvalho; dar preferência aos horários menos quentes do dia para a colheita; ficar atento durante o desponte, o carregamento e a cura/secagem das folhas. 
 
Fonte: Portal do Tabaco